7 de agosto de 2012

RIP: UOL irá desativar o serviço UOL Sites Pessoais

Provavelmente devido a algum constrangimento de quem sabe que não está agindo de forma correta, o UOL não fez um anúncio amplo dessa decisão, mas apenas um comunicado discreto – para mais tarde argumentar que todos foram avisados. 


Veja o comunicado na íntegra:

“Informamos que o serviço UOL Sites Pessoais será desativado em .
Se você possui um site pessoal no UOL veja como fazer o backup dos seus arquivos, pois a partir desta data todas as informações serão excluídas dos nossos servidores sem possibilidade de recuperação.

Conheça outros produtos para hospedar seu site em http://sites.uol.com.br.

Todos os nossos canais de atendimento estão disponíveis para esclarecimentos:

Capitais e regiões metropolitanas: 4003 9011

Atenciosamente, Equipe UOL”
No dia 9 de agosto de 2012, parte significativa da memória dos primeiros internautas da internet comercial brasileira vai ser destruída. É preciso ficar claro que a formatação dos milhares de sites pessoais do UOL é um procedimento análogo a uma grande incineração de documentos históricos.

PS: É provável que, em termos legais, o UOL tenha se precavido. Em geral, nos contratos de serviço dessa natureza há aquela cláusula coringa dizendo que a empresa “se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério, independente de prévia notificação”. Contudo, notamos que isso não é registrado na sessão “Política de hospedagem em UOL Sites e Disco Virtual” nas regras do UOL (http://regras.uol.com.br). E aí, advogados?

 Por quê?

Porque o UOL criou um serviço dedicado a sites chamado Uol Host e este é o motivo de não permitir que haja sites gratuitos e ‘na casa do lado’ outros tenham que pagar por um serviço com mais qualidade. É uma forma de forçar quem gostou da ideia a ter que comprar o serviço de hospedagem para não ficar sem, e o pior, de ter que comprar também um redirecionamento personalidade (se isso for possível) ou de redirecionar manualmente todas as páginas dos sites pessoas o mais breve possível.

Fonte: Observatório da Imprensa