2 de setembro de 2013

Banda larga de Oi, Vivo e TIM ficam abaixo de metas em julho

A Oi foi a única prestadora de serviços de banda larga fixa a não atingir metas de velocidade e qualidade definidas pelo governo, enquanto TIM e Vivo ficaram abaixo do padrão mínimo cobrado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nos serviços de Internet rápida móvel.


A agência reguladora divulgou nesta sexta-feira os resultados das medições de banda larga feitas em julho.

Foram avaliadas as prestadoras de serviços de banda larga fixa Oi, Net, GVT (do grupo francês Vivendi), Vivo, CTBC/Algar, Ajato, Sercomtel e Cabo Telecom nos Estados de Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Norte.

A Oi registrou no Rio de Janeiro, seu principal mercado, índice de perda de pacotes (quando dados não encontram seu destino) de 77,72 por cento, enquanto no Paraná a taxa foi de 83,64 por cento. Além disso, a operadora apresentou latência (período de transmissão de pacotes) de 14,02 por cento, abaixo da meta, no Rio Grande do Norte.

As ações preferenciais da Oi encerraram a sessão na bolsa paulista com queda de 3,01 por cento nesta sexta-feira, enquanto o Ibovespa subiu 0,17 por cento.

Procurada, a Oi informou que os três casos em que registrou índices abaixo da meta são pontuais e que "já foram mapeados e estão sendo cuidadosamente analisados e tratados pela companhia".

Na banda larga móvel, foram avaliadas as operadoras Claro (da América Móvil), Oi, Vivo e TIM nos Estados de Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

A Vivo ficou abaixo da meta de 95 por cento da taxa de transmissão instantânea no Rio de Janeiro (91,09 por cento) e em São Paulo (93,55 por cento). A TIM também ficou abaixo do objetivo nesse quesito em São Paulo, com 89,51 por cento.

No item taxa de transmissão média, todas as operadoras celulares superaram a meta de 60 por cento, informou a Anatel.

De acordo com a Anatel, as operadoras que não atingiram as metas serão alvo de procedimentos administrativos para sanções, que podem ser advertências ou multas.

A Vivo afirmou que "problemas sistêmicos limitaram o número de medições, o que reduziu a validade estatística dos dados coletados". A operadora disse que já foram adotadas medidas corretivas.

A TIM disse estar avaliando os resultados da medição para banda larga móvel e que "está investindo constantemente com foco na ampliação e otimização da sua rede".

As ações preferenciais da Vivo terminaram o dia em leve alta de 0,43 por cento e as ordinárias da TIM tiveram forte valorização de 4,80 por cento. As duas empresas lideraram a adição de clientes de linhas móveis em julho, segundo dados divulgados pela Anatel na quinta-feira.

Fonte: Reuters