14 de dezembro de 2011

Investidores da RIM temem mais más notícias



 (Reuters) - A Research In Motion já recebeu muitas más notícias antes de divulgar seus resultados financeiros na quinta-feira, mas surpresas ainda podem aguardar investidores sedentos por detalhes sobre o que muitos veem como um novo BlackBerry.

Investidores estão ansiosos para saber se a RIM manterá seu atual cronograma relativo à mudança de seus smartphones para o novo sistema operacional QNX no começo do ano que vem. A transição é considerada a última e melhor chance da companhia canadense de reverter sua posição de declínio.

A RIM reconheceu há duas semanas que pode ter perdido dinheiro por não ter vendido muitos tablets PlayBook e que venderia menos smartphones no trimestre atual em relação ao terceiro trimestre. Isso empurrou a ação da empresa para um patamar não visto desde 2004.

"A maioria das notícias já repercutiram", disse o analista Colin GIllis, da BGC Partners, referindo-se ao preço da ação, já desvalorizada. A cotação dos papéis caiu 10 por cento desde o alerta de lucro feito em 2 de dezembro e acumula queda de mais de 75 por cento no último ano.

"A preocupação é que haja mais notícias ruins".

Este ano, a RIM enfrentou uma interrupção generalizada em sua rede, lançamentos desajeitados e atrasados de produtos e uma queda de participação no mercado de smartphones dos Estados Unidos em um momento em que Apple e Google lutam pela supremacia.

Gillis afirmou que ficará de olho nos resultados financeiros e no fluxo de caixa da RIM neste trimestre para determinar se a companhia tem recursos para sobreviver à transição para o QNX, versão sem refinamentos do sistema que já roda no PlayBook.
English


(Reuters) - Research In Motion has already doled out a big helping of bad news ahead of its financial results on Thursday, but surprises could still await investors hungry for details about what many see as a new, make-or-break BlackBerry.

Investors are desperate to know whether RIM will stand by its current timetable to switch its smartphones to the new QNX operating system by early next year. The transition is considered the Canadian company's last, best chance to reverse its declining fortunes.

RIM acknowledged two weeks ago it would take a hit on unsold PlayBook tablets and ship fewer smartphones in the current quarter than in the third quarter just ended. That pushed its stock to lows not seen since 2004, and perhaps set a floor for expectations.

"Most of the news is on the tape," said analyst Colin Gillis from BGC Partners, referring to an already-depressed share price, which has fallen 10 percent since the December 2 profit warning and is now down more than 75 percent in the past year.

"The worry with this company is there's more bad news."

RIM has had its fair share this year, including a massive network outage, botched and delayed product launches and a precipitous fall in its share of the U.S. smartphone market as Apple and Google fight for supremacy.

Gillis said he will have a close look at RIM's balance sheet and cash flow this quarter to judge whether the company has the resources to survive the impeding transition to QNX, an unpolished version of which already powers the poor-selling PlayBook.

RIM made its name with secure, reliable communications for the world's business and government elites before branching out into what is now a crowded consumer market.