23 de fevereiro de 2012

Fraude em licitações do governo favorecem produto da Apple


Órgãos do governo federal têm supostamente fraudado a montagem de editais de licitação para a compra de tablets copiando do site oficial da Apple especificações técnicas exclusivas do tablet  IPad 2, produzido pela empresa de Cupertino.


A atitude, cuja legalidade é questionada por especialistas, acarreta na exclusão automática de tablets produzidos por outros fabricantes. Hoje existem mais de dez fabricantes dos aparelhos com atuação no Brasil.

O exemplo mais claro de favorecimento vem do Planalto. Numa licitação realizada em outubro para a compra de 42 tablets para serem distribuídos entre autoridades e assessores palacianos, a Presidência fez praticamente um Ctrl c  Ctrl v "copiar e colar" do site da Apple.

OUTRO LADO

Lógico que a Presidência da República nega todas essas irregularidades,  ainda tem a cara de pau de afirmar que "as especificações representam a sua necessidade".

Vai mais além na farra com o dinheiro público, sem o menor pudor argumenta que apesar de apontar para um fabricante específico, o edital não elimina a competição, já que há vários fornecedores de um mesmo produto.

Para se ter uma ideia o tablet IPad da Apple de 32 GB custa na Apple Store R$ 2.269,00, já o Samsung Galaxy Tab 10.1 custa no varejo R$ 1.706,69. 

E os nossos governantes não estão dando a menor bola para essa diferença absurda de R$ 563.00 na comparação de preços, pois, segundo a própria Presidência da República somente um tablet com logo de uma maçã atende a necessidade deles.